Minha lista de blogs

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Muita vez sou obscura


O sol matutino
Perfura
Minh'aura
Perfura
Minh'alma
Tentando
Alcançar-me
O âmago

Quando
O atinge
Finge
Um erro
De rota
E volta:
Medo da treva
Que encontra

Evita o confronto
Teme a derrota

46 comentários:

Mai disse...

Encontro de sóis.
Mesmo em crepúsculo, o sol sempre haverá.

abraços

Luis Filipe Gomes disse...

Não acredito nesse âmago feito de breu que tu descreves como um buraco negro que até o Sol assusta e dele quer escapar, mas se nele acreditásse lembrar-me-ía do Camões. "O dia em que nasci morra e pereça..."
Mas poéticamente acredito e então fará sentido esse teu paradoxo poético que é uma pérola em termos de proposta para reflexão também filosófica: "Aquela que tem toda a luz sem que dela possa fazer uso."

Fouad Talal disse...

Ei Zélia!

A beleza gravita dentro de ti...
Atrai eus, sóis e luas!

Bjo!

Jorge Pimenta disse...

como pode o sol recear o sol? como pode a luz combater a luz? como pode a poesia morrer nos braços do que quer que seja que não a própria poesia? tu és tudo isso num nome só, zélia!
nós, que te lemos, agradecemos-te por continuares a brilhar. sempre!
um beijinho!

Zélia Guardiano disse...

Oh, Mai, minha querida
Palavras bonitas! Trazem paz...
Obrigada!
Beijo

Zélia Guardiano disse...

Luis Felipe, meu querido
Sua presença, sim , é luz! Quando você chega, elucida tudo e o poema acaba ficando quase nulo...
Obrigada, querido!
Grande abraço

Zélia Guardiano disse...

Fouad, meu querido!
Que visita deliciosa!
Você deixa escorrer mel...
Obrigada, amigo!
Beijo

Zélia Guardiano disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Zélia Guardiano disse...

Jorge, meu especial amigo
Bendito o dia em que o conheci!
Eu, sim, tenho de agradecer por ter os amigos que tenho...Por ter a sua amizade...
Obrigada, meu querido! Mil vezes!
Beijo

Lara Amaral disse...

O sol acha que só cutuca, mas é vasto demais, perfura.

Lindo poema!

Beijo.

Zélia Guardiano disse...

Obrigada, minha querida Lara!
O sol cutuca, perfura, ofusca...Sol!!!
Beijo

Ribeiro Pedreira disse...

Em ti o sol encontrou espelho. Viu-se belo e reluzente. E partiu pra iluminar as trevas.
Meus beijos

Andrea de Godoy Neto disse...

zélia, talvez te tenhas enganado, e o sol só fez foi refletir a luz que encontrou em ti...

obscuridades fazem parte dos poetas, mas dentro delas, há imensa luz...como um buraco negro só que branco, denso de poesia

beijos beijos

Zélia Guardiano disse...

Ribeiro Pedreira, meu querido
Visita sua é garantia de luz, de maneira que a situação já é outra...:))
Obrigada!
Grande abraço

Zélia Guardiano disse...

Querida Andrea
Tomara que eu tenha, mesmo, me enganado, ainda que parcialmente...Vamos supor que havia meia-luz...
Grata pela amável visita!
Beijo

Fatima disse...

Te entendo muito minha querida!
Bjs.

Constança Lucas disse...

e no outro dia acordamos menos derrotados porque sabemos haver poetas entre nós

Marcantonio disse...

E por que não? Por dentro somos essas disputas contínuas entre crepúsculos e auroras. Gostei muito, Zélia. E que bela imagem!

Abraço.

mdsol disse...

Minha querida
Tomo estas palavras como um modo especial de dizer. Assim são os artistas: sentem muito, vêem mais longe, são mais sabedores e exigentes. Ampliam tudo para que nós, os comuns, possamos entender.
Gosto mesmo muito do que escreve.
Beijinho português!

:))

olhodopombo disse...

eu fico aqui com meus
gatos, pensando
em que Sol a Zelia foi?

Rayuela disse...

encuentro
de
soles*
encuentro
de versos*

sol con sol*
espantando
tinieblas


mil besos,Zélia! >*<

Cida disse...

E no entanto, tu não precisas do sol para brilhar, e muito, amiga Zélia!
Creio até, que ele havia enviado um raiozito prá espiar o teu poema...rs

Beijo grande

Cid@

poetaeusou . . . disse...

*
belo
,
a dualidade solar,
em nós !!!
,
conchinhas, deixo,
,
*

Zélia Guardiano disse...

Fatima
Que bom que nos entendemos: então falamos a mesma língua...
Sua visita sempre me alegra!
Beijos

Zélia Guardiano disse...

Oh, Constança, minha querida!
Ainda bem que temos uns aos outros, não?
Confraria boa, esta aqui...
Grata pela visita!
Beijos

Zélia Guardiano disse...

Marcantonio
Você tem razão: dentro de nós há uma luta sem trégua, entre sombra e luz...crepúsculos e auroras...
Grata pela visita!
Abraço

Zélia Guardiano disse...

mdsol
Vens de longe para me alegrar com a visita e com o comentário. Se gostas do que lês, fico muito feliz! É bem esse o objetivo destes versos...
Grata pelas palavras lindas.
Beijinho brasileiro!

Zélia Guardiano disse...

Ah, Rayuela, que bom tê-la aqui!
Com você chega a luz e a tal treva já vai se dissipando...
Muito lindas as suas palavras... Sempre!
Mil besos, querida!

Zélia Guardiano disse...

Cida, Cida...:)))
Que boa solução você arranjou:
trouxe os outros raios solares...
Fiquei muito feliz com sua visita. Aliás, como sempre!
Beijos, querida

Zélia Guardiano disse...

Poeta
Quando chegas d'além mar, as coisas se aclaram e sente-se até a brisa leve, a sussurrar seus versos...
Grata, meu amigo!
Grande abraço

Zélia Guardiano disse...

Amiga Tamar
Você com seus gatos, com seus bordados, com seus desenhos, com suas fotos magníficas, com suas viagens, com sua faculdade, com seus museus, com seus textos tão pertinentes...
Eu aqui, martelando esses versos...rsrs...
Obrigada, querida!
Beijos

Mariazita disse...

Olá, Zélia
Como é que uma pessoa tão doce como vc poderia albergar, no seu âmago, trevas tais que assustassem o sol???
Pura liberdade poetica, é claro.
A magia que vc usa com as palavras leva a que as mesmas, por mais simples que sejam, se tranformem mum lindo poema.

Bom fim de semana.
Beijinhos

Zélia Guardiano disse...

Obrigada, Mariazita querida!
Que bom que gostaste do poema! Fico estimulada a continuar martelando os meus versinhos...
Beijinhos

Multiolhares disse...

Sabes que eu acho que tens razão, o ser humano por mais que tente limar arestas procure ir ao encontro da luz, são as trevas que dominam,por isso a luz do sol penetra mas só um pouco
lindo o que escreves
Bj

Zélia Guardiano disse...

Obrigada, multiolhares!
Fico muito feliz se você gosta dos meus versos... Sua aprovação serve de estímulo para prosseguir na lida com as palavras.
Beijos, querida

IVANCEZAR disse...

Criatividade e sensibilidade se fundem. A luz é vacina - antídoto - ou remédio ?? - E a escuridão é doença crônica ou sono passageiro ?? - Poema profundo !

António Gallobar disse...

Olá amiga Zélia

Retribuindo a sua gentil visita e palavras sempre motivadoras, vim conhecer o seu belo, parabens vou ficar um pouco mais.

Abraço

Zélia Guardiano disse...

Oh, Ivancezar
Que bom tê-lo aqui!
Perguntas que sempre me faço, mas que permenecem, ainda, sem resposta...
Forte abraço

Zélia Guardiano disse...

Obrigada, António!
Muito me alegra sua visita!
Grande abraço

Pâmela Grassi disse...

Este sol matutino que vem chegando, vai entrando, vai começando.

Perfura a alma para depositar o calor.

Zélia, na minha cidade um sol matutino sempre é bem vindo, tamanha temperaturas baixas,

Um grande abraço!

[ rod ] ® disse...

O sol da manhã me dá a luz que o entardecer rouba-me e cega-me. Neste intervalo brinco a claridade do meu sentir e refaço meus caminhos pela luz de uma dor.

Bjs moça e parabéns!

Ivan Bueno disse...

Olá Zélia.
Poema simples e direto, um bom ritmo e um bom jogo de palavras (especialmente no "de rota") ligando o meio ao fim.
Muito bom começar a conhecer seu espaço.
Beijo grande,

Ivan Bueno
blog: Empirismo Vernacular
www.eng-ivanbueno.blogspot.com

Paulo Jorge Dumaresq disse...

O sol com medo da treva...
Só você Zélia para criar essa maravilha poética.
Forte abraço, amiga.

Bravo disse...

Zélia
Os poetas são assim!
Vivem a escuridão deles e a dos outros.
Mas em contrapartida, emanam uma luz própria.
Foi por isso, que o sol se retraiu na tua presença.

Beijos

Magnolia disse...

Lindissimo zelia...
Beijo

Mírian Mondon disse...

Zélia,
Somos feitos de sol e de sombra, nem sempre sol, nem sempre sombra... mas esse sol não chegou na hora em que cheguei, na minha hora encontrei luz bastante para acender uma cidade!

beijos, amei os dois ultimos poemas!