Minha lista de blogs

quarta-feira, 16 de março de 2011

Os sonhos de Kurosawa


Nunca quis
Acreditar
Nos
Pesadelos
De Kurosawa:
O túnel
Monte Fuji vermelho
O demônio que chora

Preferi crer
No jardim
Das pessegueiras
No casamento
Da raposa
[ Há
Um raio de sol
Mesmo
Quando chove ]

Na existência
Do povoado
Dos moínhos
E no encontro
Do estudante
Com Van Gogh

Tranquila
Assim
Dobrei
E redobrei
Mil tsurus
[ Mil grous
Ou garças ]

Mas
Amaterasu
[ Certamente ]
Não me julga
Merecedora
De graças

Que pena!
Ai
Que tristeza...

35 comentários:

Leonardo B. disse...

[nesse momento em que os pilares do mundo se agitam, recordar os pesadelos, esses redutos da vida que os ventos nos trazem, cabem e devem ser espalhados pela palavra]

um imenso abraço, Amiga Zélia

Leonardo B.

Luis Filipe Gomes disse...

que a filha esteja bem! desejo para todos o melhor, mas aquela central não pára de me inquietar.

CARLA STOPA disse...

Hoje, parece que toda tristeza do mundo cabe em mim...Ver a força frágil e impotente...Impotente potência...

Rejane Martins disse...

...mas Zélia,
felizmente Kurosawa nos traz mais do que pesadelos, vem com ele a força, a beleza e a perseverança orientais. E, ao que parece, nisto tu és mestra.
um abraço carinhoso

Batom e poesias disse...

Um dos filmes que mais me impressionou em toda a vida, oportuna e tristemente poetizado pela beleza dos versos seus.
Que mil abraços sivam de alento, Zélia.

Tudo há de se refazer.
Beijo grande

Rossana

Mariazita disse...

Zélia, querida amiga
É mais salutar acreditar nos sonhos bons do que nos pesadelos.
Tudo se irá normalizar.
Espero que esteja tudo bem com tua filhota.

Continuação de boa semana. Beijinhos

Dilmar Gomes disse...

Pois, cara amiga Zélia, seria maravilhoso, se pudéssemos nos deter somente na beleza plástica da arte do mestre Kurosawa sem pensarmos na tragirealidade nipônica.
Um grande abraço.

Katia Cristina disse...

Tudo irá voltar à normalidade, infelizmente para alguns mais triste, mas temos que acreditar no melhor.

Wania disse...

Zélia

Nenhum tsuru dobrado pelo restabelecimento da PAZ é em vão...
Todas as nossas preces se voltam para aqueles que a perderam neste turbilhão de água e fogo.



Versos perfeitos! Lindos!

Bjão, amiga

pensandoemfamilia disse...

Ai querida! Prefiro os sonhos aos pesadelos, mas há momentos que não temos como fugir, pois eles batem a nossa porta.
bjs

Rayuela disse...

qué tristeza!

mil besos,Zélia*

Fatima disse...

Triste dimais da conta!
Bjs.

rosa-branca disse...

Olá amiga, é inquietante e não consigo ficar indiferente. A minha avó dizia-me muitas vezes que não existe maior força que a da natureza por isso não a provoquem. Na altura havia quem risse, mas ela tinha razão. É assustador as consequencias dessa força. Beijos com carinho

Suzana Martins disse...

Silencio-me diante da beleza do seu poema e da dor de quem está além de mim...

Beijos querida

Em@ disse...

Muito bonito e sentido o teu poema, mas não és tu , certamente, quem não é merecedora de graças.
infelizmente o Japão é uma zona sísmica, assim como Portugal.até é bom que haja pequenos sismos para que a energia seja libertada aos poucos e não de uma vez e aconteça uma desgraça como esta.
e um a desgraça nunca vem só, não é? agora esta do rebentamento dos reactores nucleares. eu andei anos na luta contra a energia nuclear e ainda há pouco tempo chamaram-me demodé e utópica...o homem é mesmo burro e não aprende!
beijo querida!

Luiza Maciel Nogueira disse...

Nessa poesia você me conquistou Kurosawa com Os sonhos é divino. Eu preferi acreditar no mundo colorido, cheio de energia de Van Gogh. O meu sonho preferido do Kurosawa.

Beijos!

Turquezza disse...

Gostei do seu blog, incentiva à vida .......
Seguiremos até quando for preciso, de mãos dadas, todas as pessoas de bem.
Paz e luz para você e todos.

dade amorim disse...

Um poema tocante, Zélia poeta.
Um grande beijo pra você.

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Zélia
Como sempre você nos brindando com belos poemas, cheios de ritmo e consistência poética. Parabéns.
Bjux

ValeriaC disse...

Minha querida, como sempre, sua poesia encanta a alma...de tão plena em sensibilidade...admiro demais o que voce escreve.
Beijos...
Valéria

Justine disse...

Povo martirizado, que bem precisa da tua poesia!

MariaIvone disse...

Zélia,
"Ningém morre de véspera" e até ao pesadelo há que acreditar nos jardins floridos e no cheiro inebriante das pessegueiras em flor.

Beijo♥♥♥

Graça Pereira disse...

Querida Zélia
Saudade de estar aqui mas, como não deixaste caminhos, tenho de ir a comentários teus antigos para voltar ao teu espaço.
Kurosawa trouxe-me lembranças do filme e o teu poema inebriou-me com o perfume das pessegueiras em flor e fêz-me acreditar num Japão cheio de jardins onde um povo determinado e calmo na sua perseverança oriental,fará de novo nascer o sol.
Beijo
Graça

Toninhobira disse...

Um sonho e outro sonho.A dor de poder comprar pessegos e não um pomar.A beleza dos campos dos arrozais com seu moinhos,e ainda andar pelas obra de Van Gogh.É preciso sonhar amiga.Linda esta reflexão em Sonhos, ficou interessante triste,mas poetico.Sempre revendo este belo filme.
Um abração de paz e luz em cada manhã.

Maria disse...

Amiga quanta aflição estão a passar os nossos amigos japoneses, mas é um povo determinado e acredito que brevemente conseguirá ultrapassar esta tremenda situação. Adorei o seu poema!
Bom fim de semana
Beijinhos
MAria

Paulo Jorge Dumaresq disse...

Zélia, pertinente seu poema.
O filme de Kurosawa é estupendo.
Pena que os sonhos podem se tornar pesadelos como o que vimos no Japão.
Espero que esteja tudo bem.
Forte abraço, amiga.

André disse...

Minha querida amiga Zélia,

um momento de poesia que entremeia imagens oníricas saídas da fantasia de um grande cineasta, com aquelas da mais crua realidade de nossos dias. A tua sensibilidade realmente me comove. O Japão, como sempre, saberá se sortir. Um pensamento a todas as vítimas, todavia.

Sempre um momento poético original e intenso que tu nos proporcionas, querida poetisa amiga. Minha admiração maior.

Um grande abraço, saudades.

André

Zélia Guardiano disse...

Luis Felipe, meu querido
Minha filha está bem, graças a Deus!
Está aqui conosco: viera a passeio quando aconteceu a lamentável tragédia.
Nosso sofrimento é por aqueles que lá estão...
Muito, muito grata pelo interesse, amigo.
Um abraço bem apertado para você.

Eurico disse...

Meu filme preferido de todos os tempos... mas, como tu, amiga, gostei do Povoado e da plasticidade em movimento nos quadros do Vincent...
Oportuna, a postagem. Muito oportuna. Que a força da cultura japonesa, gregária e firme, os ajude a enfrentar a escatológica tragédia sobre aquele país.

Abraço fra/terno

Zélia Guardiano disse...

Amigo Eurico
É o meu favorito , também!
Dentre todos!
Que bela afinidade a nossa...
Grata pela visita!
Abraço apertado.

Zélia Guardiano disse...

Está tudo bem, meu querido Paulo Jorge!
A Heloísa está aqui conosco, e já estava quando aconteceu a tragédia.
Grata, amigo!
Grande abraço!

A. Reiffer disse...

Tocante o teu poema, Zélia! Parabéns! Abraços!

Luciana Marinho disse...

perfeito, zélia..
perfeito também no sentimento de falta tão movente.

beijos.

Andradarte disse...

O destino está traçado....logo que o monstro esteja dominado...será encerrado definitivamente...mas até lá.....????
Belo poema...
Abraço

Livinha disse...

Zélia minha querida

Saudades daqui, saudades de ti...
Os ventos parecem querer fazer a derrubada,
talvez a limpeza abrupta revoltada,
na tempestade furiosa com que chega...
Compreender somente não se basta, é preciso organizar para que semblantes se acalmem, visualizando uma nova jornada...
Vamos aguardar.

Passei aqui de olhar aceso pela Lua de sua postagem, que se apresenta na minha lista de blogs amigos, mas cá chegando não encontro nada.
Então cá fico sem visão mas a deixar-te o meu abraço puro de amizade e saudades...

Como sempre a nos brindar com teu belos e reflexivos mensagens...

Feliz semana

Bjs

Livinha