Minha lista de blogs

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

MOMENTO


Três
Strelitzias
Lindas
De um vaso
Comum
De barro
( Comovidas
Com
O caso )
Vão
Conversando
Comigo
Enquanto
Varro
As lembranças
Pra
Debaixo
Do tapete:
Não quero
Morrer
De saudade

( Tudo
Culpa
Do retrato
Pendurado
Na parede:
Meu pai
Jovem
Sorridente
Olhando-me
Com ternura
Chamando-me
Para
O passado )

30 comentários:

Mirian Mondon disse...

Querida Zelia,
Voce nem imagina a alegria que tive ao chegar aqui e ver que voce publicou sua doçura em branco e preto! Não vou dizer que nasce uma estrela porque a estrela sempre existiu, mas é bom saber que mais pessoas poderão contemplá-la!
Parabens!!!

beijos Mirian

Bípede Falante disse...

Morrer de saudades só se for pra depois continuar vivendo :)
beijoss

Bípede Falante disse...

Morrer de saudades só se for pra depois continuar vivendo :)
beijoss

Bípede Falante disse...

Morrer de saudades só se for pra depois continuar vivendo :)
beijoss

IVANCEZAR disse...

Que lindo, amiga Zélia ! Um poema e tanto. Bjs sulinos !

Tania regina Contreiras disse...

Zélia, querida, quantas lembranças escondem-se sob nossos tapetes, hein?
Pó de poesia que escapa e torna-se, com você, sempre ternos poemas.
Beijos,

Leonardo B. disse...

[a memória alinha-se com a palavra,

a flor com o cada momento,
o cada momento, saudade de futuros
presentes]

um imenso abraço, Amiga Zélia

Leonardo B.

Toninhobira disse...

Ah,minha amiga este retrato na parede, que me inunda de lembranças e faz esta coisa molhada rolar na face.As lembranças são belas e fazem a poesia de encanto sem pranto.Adorei amiga.Um abração de paz e luz.Bom sempre vir aqui.

Adriana Aleixo disse...

Belíssimo momento, querida...
Beijinho!

Fatima disse...

Bjs querida!

Graça Pereira disse...

Saudades de passar por aqui e ler poemas sempre tão bonitos como este!
Há momentos...que só os poetas captam.
Um beijo carinhoso.
Graça

Celso Mendes disse...

ah, essas lembranças são como conhaque: botam a gente comovido como o diabo!

que coisa bela, Zélia!

beijo, amiga.

Zélia Guardiano disse...

Oh,Mirian, minha querida amiga!
Que bom ter você aqui!
Então: publiquei o livro. Era preciso, não podia protelar mais...
E foi graças a pessoas como você! Quanto estímulo recebi aqui na blogosfera!
Agora, tudo certo: plantei árvores, tenho três filhos escrevi um livro...rsrsrsrs
Grata pela amável visita!
Abraço bem forte e beijinhos

Zélia Guardiano disse...

Isso mesmo, Lelena! Só se tiver continuação...rsrs
Grata pela visita, minha querida!
Beijinhos carinhosos

Zélia Guardiano disse...

Ivancezar, meu querido amigo, grande poeta!
Que bom que você veio!
É sempre muito gratificante recebê-lo!
Obrigada!
Abraço bem apertado!

Zélia Guardiano disse...

Obrigada, Taninha, amiga querida!
Você tem razão: o tapete está alto, de tanto pó de recordação escondido sob ele!
Se você soubesse como a idade vai nos tornando mais e mais vulneráveis...
Adorei a visita!
Beijos carinhosos...

Zélia Guardiano disse...

Com o tempo, amigo Leonardo, as dimensões das coisas da vida vão se ampliando de forma assustadora! As lembranças , ao contrário do que eu imaginava, ganham contornos tão alargados, que chegam a me assustar...
Abraço bem forte para você, meu querido

Zélia Guardiano disse...

E sempre bom recebê-lo, Toninhobira, amigo, grande poeta!
É como você diz!
Um retrato na parede, com o passar dos anos, vai se ampliando de tal forma, que chega a assumir proporções assustadoras...Consegue fazer verdadeiros estragos emocionais...
Grata, querido!
Forte abraço!

Zélia Guardiano disse...

Muito, muito, muito obrigada, minha querida Adriana! É sempre uma honra tê-la aqui!
Beijos recheados de carinho...

Zélia Guardiano disse...

Fatima, amiga!
Tinha tanta saudade!
que bom que você veio...
Beijos carinhosos

Zélia Guardiano disse...

Oh, Graça, minha querida amiga!
Vens de tão longe para alegrar-me a alma...
Fico, sempre, muito feliz com sua visita!
Grata, muito grata!
Um abraço repleto de amizade e carinho...

Zélia Guardiano disse...

Isso mesmo, Celso: são como conhaque! Colocam nossas emoções à flor da pele... Mexem demais com nossa psique!Chegam a fazer estragos! E à medida que o tempo passa, vamos nos tornando mais sensíveis... Ai...
Grata pela visita, amigo!
Forte abraço!

Assis Freitas disse...

tudo tão pretérito nos olhos,



abraço

Zélia Guardiano disse...

Realmente, amigo Assis! Tudo tão pretérito... Demasiadamente pretérito!
Abraço , meu grande poeta!

Anne Lieri disse...

Zelia,que beleza de blog e poesias tão sensiveis,especiais mesmo!Eu adorei seu cantinho tb!Bjs,

Gabriella Santos disse...

Amiga Zélia,
Estou de volta à blogsfera e muito feliz em ver que você continua escrevendo suas belas palavras que alegram essa minha tarde chuvosa de verão.
Beijos e muita paz!!!

Jorge Pimenta disse...

quanto de nós se eterniza nas linhas das fotografias?...
beijo, zelita!

Zélia Guardiano disse...

Que bom, Gabriella!
Que bom!!!
Fico felicíssima com sua volta!
Grata, minha querida, pela visita e pelo amável comentário!!!
Beijos carinhosos

Zélia Guardiano disse...

Anne!!!
Que bom tê-la aqui!
Que felicidade este encontro!
Muito grata, querida!
Vem sempre: esta casa é tão sua quanto minha...
Abraço apertado!

Zélia Guardiano disse...

Amigo Jorge, grande poeta
A fotografia nunca é só uma fotografia, mas capítulo de história... O álbum, ou a caixa, ou a lata: romance completo!
Grata, meu querido, pela visita, que tão grande diferença me faz!
Abraço bem forte!