Minha lista de blogs

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Vida simples


Quisera
Fosse
A vida
Tão
Simples
Como
Gato
De
Aldemir
Martins
Como
História
De
Cora
Coralina

Doce
Como
Ambrosia
Como
Boneca
No colo
De
Menina

Alegre
Como
Jardim
De Burle
Marx

Brilhante
Como
Sol
De
Acrílico
[Céu
De cetim
Azul
Uma
Ou
Outra
Nuvem
(Alva
Musselina):
Primavera
Na
América
Do
Sul]

Mas não:
É perpétua
Guernica
De
Picasso

Intricado
Complexo
Processo
De
Kafka

Soturna
Lua
De vidro
Negro
Em treva
De
Halloween

Cálice
De
Absinto

Síntese
De todo
Pecado
Do mundo:
Pesa

[Cordeiro:
Tende
Piedade]

42 comentários:

Chica disse...

Lindo e nem sempre a vida é o que gostaríamos,mas mesmo assim,vamos vivendo a cada dia...

beijos,linda semana,chica

pensandoemfamilia disse...

Lindo, muito expressivo com toodosos outros.
Aproveito para convido-a para compartilhar da Serie a Criança que eu fui, na qual Caca é o relator da sua infância.

http://pensandoemfamilia.com.br/blog

Livinha disse...

Eu já me coloquei tantas vezes em perplexidade, quando tudo na verdade não mostra complicado assim.
É como faca de dois gumes, um corte grosso outro fino, o que seria melhor pra mim e então eu me complico porque de um jeito ou de outro, ambos provoca sangue em mim.
E se assim fosse cega, nada me causaria? Não.
Ela não é complicada, somos nós que complicamos, insastifeitos na jornada, ganhando e ao mesmo tempo reclamando.
As poetas mensionadas, são como nós entre flagelos nos desenganos, mas ao toque da proxima página, escorreitamos as letras, ajeitamos, damos brilho e tudo fica puro e ameno...
Se for pra viver de fantasia, vivamos, as dores alivia, encobertas por debaixo dos panos...


Uma semana colorida pra ti minha amiga

Bjs

Livinha

Eliane Furtado disse...

Tocante. Simples e profundo.
Gostei de verdade!

Mirze Souza disse...

Belíssimo, Zélia!

Um desfile poético e cultural, citações de mestres como Cora Coralina e o intrincado Kafka.

E no entanto a poesia clama pela simplicidade da vida!

LINDO LINDO!!!!!

Beijos

Mirze

Julio Lobo disse...

Quisera eu possuir o intelecto para colocar em palavras a forma como me sinto diante de seu "falar".
Não o tendo, apenas digo: -UFA!

Obrigado, te sigo!
Beijos.

Dilmar Gomes disse...

Querida amiga Zélia, lindo poema, bem trabalhado como sempre. Vamos amenizar um pouquinho o teor da coisa; diremos como no refrão daquela música antiga: " Nem sempre o sol brilha" .Mas no fundo tenho que concordar, a situação está mais para "urubu" do que meu "loro", mas seja como for, acho muita válida sua citação à grande Cora Coralina e ao mestre Kafka. Além de tudo isso, continuo encantado com a sua maneira de pôr essa suave sonoridade no papel. Enquanto leio seus poemas, fico com a impressão de você senta-se ao piano e vai transformando toda palavra em música.
Um grande abraço

Michele P. disse...

Zélia
O teu texto é de uma plenitude só! Lindo.
Já o conceito, sou desta opinião: a vida é o que nós fazemos dela. Acredite! ;-)
Das nuvens mais negras cai água límpida e fecunda.


Um grande abraço!

Márcia Cristina Lio Magalhães disse...

"Soturna
Lua
De vidro
Negro
Em treva
De
Halloween"

Adorei!! Tudo...

Deixo um beijo, raios de sol!

Magnolia disse...

Tão lindo.....
Beijo Zélia

carlos pereira disse...

Cara Zélia;

Contemplar as coisas simples da vida, é sinal de inteligência e um grande passo para se ser feliz.
Gostei muito do poema.
Um beijo.

manuel marques disse...

Com palavras simples, descreveu coisas tão complicadas.

Beijinhos meus.

Jorge Pimenta disse...

querida amiga,
desde há algum tempo, já, que deixei de crer em axiomas e verdades absolutas. a verdade constrói-se com os olhos que a corporizam assim mesmo: sem dúvidas ou hesitações. haverá, deste ponto de vista, tantas verdades quantos os focos e suas tensões.
bastará, então, para que kafka nos sorria ou guernika deixe de nos assombrar, que troquemos de óculos... ou de olhos :)
um beijinho!
admirável (e corajoso) o teu desabafo!

Jorge Pimenta disse...

p.s. há gatos que têm vidas bem danadinhas. toma como exemplo o malhado, do jorge amado :)
beijinho renovado!

Cacá disse...

Zélia, eu possuo uma fama danada de conciliador. rsrs. Aproveito e transfiro isso para a minha alma. Junto todas essas delícias provisórias com essas dificuldades inevitáveis e vou me equilibrando, meio cheio, meio vazio feito um copo de bebida ora doce, ora amarga me alimentando. Muito belo seu poema. Abração. Paz e bem.

Lara Amaral disse...

Nossa, que descrição perfeita!

Ainda bem para nós, para a vida, que há poema de Zélia Guardiano. =)

Beijo tenro.

Glorinha L de Lion disse...

Zélia, minha poeta, como eu, cheia de sentires. Carregamos a dor do mundo ou ela é que nos carrega?
Linda. Beijos.

Fatima disse...

João 16:33 Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.



Bjs.

Leonardo B. disse...

[tenho por certo que vou ler este poema à Ofélia, a felídea cá da casa, que ostensivamente me faz lembrar a sua Vida Simples]

um imenso abraço, Zélia

Leonardo B.

Toninhobira disse...

Linda e elegante demonstração do viver nos limites de nosso querer,esta eterna inconstancia, esta travessia de corda esticada num equilibrismos sem fim. Parabens Zelia.Meu abraço de paz.

AGNALDO NO ESPELHO disse...

Zélia,

Quisera fosse simples realmente. Simples como teu poema, e igualmente encantadora, a vida.

E ela segue com suas diversas nuanças. Algumas vezes bocólica feito o gato de Ademir Martins, outras bela, sinistra e assustadoramente intensa, feito Guernica.

E você costura essas nuanças em seus versos.

Lindos, lindos.

Super beijo.

Marcantonio disse...

Quantas referências! E fundamentais. Dizer que a vida é simples é fazer tábua rasa de todas as circunstâncias complexas que nos envolvem, incluindo a nossa própria finitude. Simples talvez na insistência de nossos sonhos e anseios; mas, complicadíssima nos obstáculos que se lhes antepõem.
Quem sabe se não é pelo desilusão com as complexidades da vida que possamos alcançar alguma simplificação, sobretudo dos nossos desejos.

Um poema que toca na grande questão, Zélia!

Grande abraço.

Domingos Barroso disse...

Elevada poetisa,
por hoje ao dormir estarei salvo
(graças aos teus versos)
...

Terno abraço,
minha amiga.

Assis Freitas disse...

com todas essas simplicidades assim juntas, ah quem dera


abraço

Tania regina Contreiras disse...

Zélia, querida, como te entendo, como é complexo o simples e simples o complexo. Hoje vc arrebentou: ma-ra-vi-lho-so!
Beijos,

dade amorim disse...

Que riqueza esse poema, e que grandes referências!
Uma perfeita visão da realidade a nosso alcance, infelizmente nada simples. Poema de mestre, Zélia.

Beijo de admiração.

A. Reiffer disse...

Poema de um ritmo contagiante e de uma inquietante mensagem. Parabéns! Abraços

Daniela Delias disse...

Zélia, Zélia...esse é daqueles...nem uma pausinha pra respirar...dos mais bonitos entre tanta coisa linda que a gente encontra por aqui!

Beijinhos!

Em@ disse...

Zélia!
parece simples o seu poema, mas não o é. só na forma...profundo, de um realismo desesperado.
mas porque amanhã é outro dia, tem um desafio à sua espera. sua presença +e imprescindível. :)
beijo, querida amiga.

Em@ disse...

--> +e = é
amei também o gato! :)))

Cida disse...

Menina, você é realmente DEMAIS!!!

Sempre surpreendendo, nos enredando em suas palavras... Tem certeza que não tem escondida na manga uma varinha de condão?

Só assim prá explicar tamanha magia!...:)

Paz e Luz prá você Zélinha

Cid@

contagotas disse...

Dilmar Gomes disse tudo por mim.

Te abraço, amiga.
MariaIvone

Talita Prates disse...

deusmeu, cordeirodedeus, que coisa mais primorosa!
encantou-me profundamente
: lindo, lindo!

um beijo,

Talita
História da minha alma

Luria Corrêa . disse...

A vida realmente seria linda e intrigante se tudo fosse tão simples, quem sabe até sem emoções pela facilidade de viver. Lindo poema, lindo espaço e belas palavras! Já acompanhando o seu trabalho aqui e voltarei sempre que puder.

beijos e boa semana :)

Vitor Chuva disse...

Olá, Zelia!

Que contraste tão vincado entre a "realidade" percebida e o mundo sonhado:Dum lado um gato anafado, certamente bem mimado, com uma rica vida como todo o gato que se preze exige ter; do outro um "quase" inferno de Dante. Abismo enorme enorme, este, e certamente que muito maior do que a realidade; eu, pelo menos, espero que sim!

Abraço amigo.
Vitor

Justine disse...

Muito rico o teu poema, pelas inúmeras e divertidas referências culturais! Mas a vida tem sempre os dois polos que enuncias: ai de nós se fosse apenas uma coisa ou outra!
Abraços

Valéria Sorohan disse...

Não encontrei nada (aparentemente) inteligente pra dizer. Mas percebi profundidade. A poesia faz isso comigo, vai vendo... rs

Mai disse...

Ah! Quem dera fosse, Zélia. Você conseguiu reunir o mais simples e belo, e isto corrobora, ou talvez seja apenas mais um sinal de onde está a riqueza, e ao mesmo tempo o melhor da vida - na simplicidade que tanto ensejamos e pela qual tanto lutamos, e paradoxalmente mais complicamos.


beijos, querida.

há intantes em que me alimento de tuas palavras para logo em seguida sair meditando e pelejando meus ais.

Rayuela disse...

tus versos
transforman
la oscuridad
en simple
primavera

besos,Zélia*

Gerana Damulakis disse...

Excelente, Z! Que paralelo interessante, muito bom.

Cris de Souza disse...

Esse poema é um espetáculo!

À benção, elevada.

Beijos.

don vito disse...

Hola Zélia, bellísimas letras, mi piel se impregna de su enorme belleza, gracias, pasa buen viernes, gracias,besos.